Google+ Followers

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

RECADO


VENHO DE UM LONGÍNQUO RECADO
PARA QUE EU CHEGASSE TODO O TEMPO
FOI PROSCRITO

E O SILÊNCIO TORNOU-SE ÚTIL A MINHA PASSAGEM.

O TEMA DA ROSA

O amor desfaz-se em pétalas
à medida do vento sobre ela,
a rosa, símbolo dessa coisa
frágil e bela.

Mas sem a rosa
os dias como que passam lívidos
e há pétalas soltas
junto com balas
perfurando livros.

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Homenagem à Sophia

Chamo-Te porque tudo está ainda no princípio
E suportar é o tempo mais comprido.

Peço-Te que venhas e me dês a liberdade,
Que um só dos teus olhares me purifique e acabe.

Há muitas coisas que eu quero ver.

Peço-Te que sejas o presente.
Peço-Te que inundes tudo.
E que o teu reino antes do tempo venha.
E se derrame sobre a Terra
Em primavera feroz pricipitado

Sophia de Mello Breyner

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

POESIA DAS ESFERAS

Poesia é a minha praia.
Num mar artificial de palavras.
O Poeta é um fingidor,
a minha poesia não mente,
inventa, transtorna,
torna a dizer-te.
Intervirá sempre
abaterá a configuração das nuvens,
ela, como o vento sopra onde quer.
E sabe o que quer.
Há cores sobre ela,
há mundos sobre mundos.
Minha poesia
faz a separação entre as águas
e como paisagem clara
põe-se à vista de tudo.