Google+ Followers

terça-feira, 10 de maio de 2011

Aquarela

Hoje ouvi a voz do silêncio
tirando-me as palavras
que se repetem metálicas ao meu ouvido.

Um movimento da brisa,
trouxe-me as verdades eternas.
E um novo dia fez-se sentido.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

JANELAS





Não foi sonâmbula que eu te vi, oh Deus.
uma estátua em pátina num altar quebrado
foi numa tarde morna entre as brumas do mar
em frente a minha casa.


Nem foi nos livros ou nas palavras
compactadas dos versículos.
Foi porque sopravas no ar de mim tão perto.
E eras quase corpóreo:
-trouxe-te aqui para falar contigo.


Combinamos coisas diversas,
de um lado, que eu tivesse calma,
de outro tu me enches de esperança.


O mar estava calmo,
as pessoas se divertiam.
na paisagem a minha frente vária
janelas se abriam
apresentando-me o futuro.



A PORTA
 


Dado que as Suas misericórdias
a cada manhã se renovam,
hoje se me abriu uma porta:
era o mar.


E foi com violência quase
que sobre mim
transbordaram as suas águas



O SILÊNCIO


Comecei a buscar a Deus
e vi que meus lábios eram impuros;
busquei encontrar a Deus
e vi que meu coração estava triste.


Continuo a buscá-Lo
com a sede dos animais marinhos
e como as corças suspiram
pelas margens.


Salva da tempestade,
paredes do meu quarto
guardam o silêncio
em que Ele começa
a falar comigo.
 
 
 
 
 
 
 
 

OS CUIDADOS




O silêncio
fechou-se em minha alma.
Dentro, há um ser
Que olha para Deus.

Sob seus pés
o chão como que se abre,
mas mãos invisíveis o mantêm.

Há um grande temor
acerca da verdade.
e hoje ela veio de encontro
me conduzindo por caminhos
exatamente opostos aos cuidados
sob os quais um dia me cobri.



ÁGUA VIVA


Rios ameaçam
brotar de dentro de mim
para que nunca mais
o chão onde piso
permaneça o mesmo.


Rios de águas cristalinas
ameaçam mudar a história
por caminhos que desconheço.
 
 
 
 
 
 
 
 


 
A VISITAÇÃO





Deus este aqui.
-Onde?
Onde o perdi.


Dele sei ser apenas o princípio,
Daquele por quem vim e busco,
Como Ele busca a mim.


- Ver Deus é o sonho prometido ao mundo.


Para Ele as paredes estão vestidas de cortinas
e na sala de visitas Sua presença é incontida.
Ah , tua presença enorme
-onde agora?
com as rosas,
-medidas de Teu carinho.


Caminhos a Ti me levam
à solidão dos palácios
em que as résteas apenas avisam
que cheguei muito depois de Tua partida.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

LEVANTA E ANDA





Não tenho ouro nem prata

mas trago a ternura

desta palavra- espada:

Levanta!



Soube que vivias

entre os pórticos e as calçadas

como um apátrida

e que no Templo

nada mais sonhavas:


anda!


Ainda hoje

teus sonhos estarão inscritos

em letras grandes

nas telas do universo

onde também estarão

grafados para tua memória

estes versos.